Trabalhadores da Galileo exigem justiça
Possíveis falcatruas repercutem na imprensa e Polícia Federal já trata do assunto

Conforme  o SAAERJ já denunciou em inúmeras ocasiões, os prejuízos causados pelo grupo Galileo a centenas de auxiliares de administração escolar são enormes, uma vez que sequer as verbas rescisórias foram recebidas, apesar de todas as ações judiciais que o Sindicato vem movendo. Sofrem igualmente os professores e os ex-alunos das universidades que, inclusive, participaram junto com o Sindicato de atos de luta e protesto. Pois bem, agora o jornal Povo do Rio vem publicando uma série de reportagens sobre o sumiço de R$ 100 milhões que estariam ligados a graves problemas de gestão, seguidos dos conhecidos  descredenciamento e fechamento das universidades Gama Filho e UniverCidade.

De acordo com o jornal, os recursos que deveriam ter sido aplicados pelo Grupo Galileo para recuperar e sanar as instituições educacionais teriam sido desviados pelo pastor Adenor dos Santos. Ele está sob investigação da Polícia Federal e também foi aberta uma CPI na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

O SAAERJ clama por justiça. Não é possível que os trabalhadores continuem pagando a conta de desvios, falcatruas e gestões fraudulentas. “Não queremos milagres, queremos justiça, queremos que a lei nos garanta o que a tão duras penas conquistamos: os nossos direitos trabalhistas”, desabafa o presidente do SAAERJ, Elles Carneiro.

Clique para ver a matéria publicada pelo Povo do Rio em 11/09/2014
 
Masan: Assembleia dia 11/10 às 10h, na UERJ
O SAAERJ convoca todos os auxiliares de administração escolar da MASAN a comparecem à assembleia que será realizada no dia 11 de outubro, sábado, às 10h, na UERJ (auditório 11, 1º andar, bloco F). A Assembleia tratará das negociações prometidas pela empresa e levantará atuais pendências nas relações de trabalho.

Clique aqui para ler o edital convocatório
 
CCT do Ensino Superior dependerá de forte união dos Auxiliares de Administração Escolar
SAAERJ convoca assembleia para 27 de setembro às 10h
Já finalizado o mês de agosto, o reajuste com o Ensino Superior é zero. A Diretoria do SAAERJ vem travando seguidas reuniões com o patronal, mas a cada encontro sempre há um imprevisto e na despedida, com força, batem a porta em nossas costas. Toda essa guerra na corrida para se obter o ouro (investimento no ensino superior no Brasil) tende a avançar freneticamente sobre nossos poucos direitos já conquistados.

“Prometeram-nos uma resposta visando à convenção coletiva 2014/2015, cuja data base é primeiro de março de 2014. Sinceramente não tenho esperança e nada poderemos fazer a não ser que promovamos uma grande concentração através de uma Assembleia Geral Extraordinária que faremos realizar no próximo dia 27 de setembro, no auditório do SAAE-RJ, sito a Rua dos Andradas, 96, sétimo andar, esquina com Marechal Floriano. Ou avançamos juntos ou juntos estaremos chorando em pouco tempo”, declarou o presidente do Sindicato, Elles Carneiro.

UGF e UniverCidade são exemplos de como agem os patrões do 3º Grau
Neste ano de 2014, as vítimas já passam de mais de dois mil auxiliares de administração escolar que estavam empregados na Gama Filho e UniverCidade. Foram demitidos com três meses de salário em atraso, mais de cinco anos sem depósito de FGTS e INSS e nada de recebimento das verbas rescisórias e tudo isto ainda abençoado por uma Justiça que, antes morosa, mas hoje, quase não funcionando.

Reportagem demonstra como estamos sendo espoliados
A reportagem ora reproduzida do jornal O Tempo, de Minas Gerais (clicar no link abaixo) nos dá uma visão de mercado e demonstra o quanto estamos sendo espoliados nos últimos acordos assinados com a Representação Patronal do Ensino Superior.
Sendo a atividade lucrativa, pois até os investidores internacionais estão lutando para abraçá-la em nosso país, as condições de trabalho e os reajustes firmados nos últimos anos para nossa categoria profissional demonstra o quanto o setor vem alcançando bons lucros.

E nós companheiros do 3º grau? Como vamos responder a tudo isto? Todos na sede de nosso Sindicato dia 27 de setembro, sábado, às 10h.

Clique aqui para ler a matéria publicada pelo jornal O Tempo


Clique aqui para ler o Edital Convocando para a Assembleia

Convenção Coletiva do município do Rio já está registrada
Os auxiliares de administração escolar do município do Rio de Janeiro já têm sua Convenção Coletiva negociada. O reajuste salarial é de 6,5% sobre os salários de março/2014 e os benefícios conquistados pelo SAAERJ, como gratuidade escolar, adicional por tempo de serviço, etc, estão mantidos.
Para conferir novos pisos e cláusulas de qualidade, clique no link abaixo.

Confira a íntegra da CCT do município do Rio de Janeiro
 
Convenções Coletivas de Campos e Estadão já homologadas
A Convenção Coletiva de Campos dos Goytacazes foi homologada em 20/06/2014 sob o nº RJ001019/2014 e a do Estadão foi registrada no MTE sob o número RJ000983/2014.

Também estão homologados os Acordos Coletivos da Baixada com o Centro Educacional Adyr Velloso, o Instituto Raposo Silva Ltda e o Instituto Rapouso Silva II Ltda.
Acesse a aba "Convenções Coletivas" e confira.
 
Convenção de Petrópolis já está homologada
A Convenção Coletiva de Petrópolis e região já foi homologada pelo Ministério do Trabalho.

Clique para ler a íntegra da Convenção
 
 
 
 
 
Assinada a CCT de São Gonçalo
Após longa espera, foi finalmente fechada a Convenção Coletiva de São Gonçalo. O reajuste salarial é de 7% sobre os salários de março de 2013, retroativo a 1º de março de 2014. Mantidas as cláusulas de qualidade, como triênio e gratuidade de ensino. Confira os novos pisos e todas as cláusulas da CCT clicando no link abaixo.

Clique aqui para ler a CCT
 
SAAE não assina Convenção da Baixada para garantir benefícios ao trabalhador
Tendo em vista que a Representação Patronal demonstra o seu desinteresse em negociar, o Sindicato decidiu não fechar a Convenção Coletiva da Baixada Fluminense, em função do representante patronal não garantir direitos e vantagens hoje assegurados pela Súmula do TST ao trabalhador. 

Portanto, valem os Pisos Estaduais. Se o colégio ou a creche não tiver condições para aplicação dos Pisos Estaduais, favor entrar em contato com a Delegacia Sindical de Nova Iguaçu para negociar um Acordo Coletivo.
 
 

Presidente do SAAERJ denuncia maus empregadores na CPI das universidades privadas
Veja no vídeo abaixo.
 
 

Convenções Coletivas avançam. Para novos progressos, é preciso mobilização

Finalmente avançamos no sentido de não mais permitir, no mês de janeiro, um piso salarial abaixo do próximo mínimo.

Quanto ao ticket refeição, sem uma mobilização especial dos auxiliares de administração escolar, jamais conseguiremos. Vamos modificar o pedido para o próximo ano para “Vale Alimentação” ficando mais abrangente no sentido de assim melhorar a parte de alimentação, não só do trabalhador mas de toda sua família.

Conseguimos aumento real principalmente nos pisos, onde chegamos a 11,5%. Daqui para frente a ordem é mobilizar.


Veja aqui outros editoriais